• 14603351167_1a18199057_o.jpg
  • 35418051724_b63bc58f22_h.jpg
  • 36020494032_79126b0d57_h.jpg
  • apac-aarteliberta.jpg
  • capa01.jpg
  • thais.jpg

CORTEJO DE ENCERRAMENTO COM GRUPO DE JONGO NEGRA MINA

CORTEJO DE ENCERRAMENTO COM GRUPO CONGADO E MOÇAMBIQUE DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO E SÃO BENEDITO

 

O cortejo de encerramento do Inverno Cultural UFSJ 2018 vem agradecer à cidade pela participação, ao som dos tambores, canto e dança, característicos das manifestações culturais do jongo e do congado!

Para conhecer um pouco mais sobre a cultura do Congado, este termo vem da palavra "congo", que significa "congar", "dançar", e é herança dos escravos oriundos do antigo Reino do Congo, na África Central, que a criaram para ocasiões de festejos. Os Moçambiques são os congadeiros mais tradicionais e podem entoar apenas cantos de manifestação e fé. Os ternos de Catupés surgiram da influência indígena e utilizam de cantorias irônicas e com críticas sociais.*

 

                                       Foto: Divulgação

 

Os chamados ternos de congado rendem homenagens à Nossa Senhora do Rosário, por meio de cortejos que misturam canto, dança e símbolos religiosos, a exaltação a reis congos e o diálogo com outros grupos de congado.**

O Terno de Congada Moçambique e Catopé de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito do Bairro São Dimas nasceu em 2001 para celebrar a festa da padroeira e continuar uma tradição familiar de congadeiros e salvaguardando a memória tradicional do catolicismo negro na cidade. O grupo também tem seu histórico de apresentações em escolas, museus e festas regionais de santos católicos. 

 

Dia: 29 de julho, domingo

Horário: 16h

Local: Trajeto do Largo do Rosário ao Largo da Cruz  

 

*Fonte: G1 - Triângulo Mineiro <https://glo.bo/2uwp6fp>

** Fonte: Daniel Albergaria Silva. Os Ternos de Congado em Minas Gerais: suas variações míticas, rituais e esquema festivo. <https://bit.ly/2m9GPFq>

 

REALIZAÇÃO

APOIO

 
 
 

Universidade Federal de São João del-Rei
Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários
1988-2019 © Todos os direitos reservados